Neste blog, vou passar fazer todo aquele trabalho que habitualmente tenho vindo a distribuir por vários blogs. Dar descanso aos velhos....

30
Jul 18

37583653_2145688292343761_1609450749777936384_n[1]

(Foto recente do meu conterraneo Joaqum Costa)

Já a 2/8/15 em post que publiquei fazia alusão à confrontação dos limites entre Vilar de Ferreiros e Mondim de Basto, assim: “Encarrapitada desde as cimalhas dos montes de Ventozelos e da Tontuça, aqui a confrontar com Bilhó; e do Toumilo ao  Fragão de São Paulo, com Ermelo; e dali, pela Bouça da Isabel ao Coto de Campos, a freguesia de Vilar de Ferreiros, continua dali, pelo centro da aldeia de Campos, em ascensão até à Capela do Fundo, a dividir com Mondim, onde perto uma cruz em tau assinala o fato; e dali até ao cimo do Monte Farinha (Nossa Senhora da Graça), a divisão é com Atei, pela cruz existente do 2º adro. Lucal  de impressionante beleza que mereceu de Torga este honroso comentário: “Empoleirado neste miradoiro, solto os olhos por metade de Portugal. Montes, rios e vales edénicos, genesíacos, como que acabados de sair das mãos do Criador. A natureza na sua primitiva decência, desabitada, limpa de toda a mácula humana. Nem sequer tocada pelo pasmo de quem a contempla”. Percebe-se que foi anos antes das “pedreiras” terem ganho aqui o estatuto demolidor da paisagem e do património granítico de toda a “montanha sagrada” que o autor de Bichos fez tal apreciação. Desta “montanha sagrada” que no proximo dia 09, uma vez mais vai receber os ciclistas da  9º etapa da Volta a Portugal, a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira faz saber que os cumes desta pequena serra estão coroados com “largos cordões de pedra em montão, ruínas de muros antiquíssimos, que a tradição local diz serem obras de mouros”.

DSC00331.JPG

(Abade de Miragaia)

Quem bebeu em boa fonte que foi o Padre Augusto Ferreira, mais  conhecido pelo Abade de Miragaia, que além do mais foi responsável pelos três últimos volumes do dicionário Portugal Antigo e Moderno, de Pinho Leal. Nasceu, em Corvaceira, freguesia de Penajóia, a 14 de Novembro de 1833, e faleceu no Porto, a 17 de Junho de 1913. Uma figura a não esquecer pois muito escreveu sobre terras do nosso concelho. E sobre NS da Graça também ao tratar de Vilar de Ferreiros.

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 15:53

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Julho 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

16
17
18
20

23
25

31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO