Neste blog, vou passar fazer todo aquele trabalho que habitualmente tenho vindo a distribuir por vários blogs. Dar descanso aos velhos....

21
Dez 14

10868296_777073829031439_107072783674409366_n.jpg

O nome do escultor Domingos de Oliveira há muito que me é familiar, mas associá-lo a um conterrâneo meu, demorou tempo que acontecesse. Quem nascido em terras de Basto alguma vez por uma ou outra razão deixa o torrão natal em busca de conquistar o que na terra ou região não se lhe ofereceu vislumbrar , sem nunca esquecer as origens, no entanto, por gratidão, toma como sua a terra onde melhor se adaptou e foi acolhido. Nisso se distingue dos seus similares o emigrante português que no seu país ou fora dele encontrou espaço propício às suas ambições e ocupação laboral.Como muitos outros, Domingos de Oliveira, escolheu Lisboa para se fixar e fazer render as suas potencialidades artísticas e culturais. Antes porém serviu Portugal como militar em Angola, onde o contacto com a guerra lhe deu do mundo uma nova imagem escultural que vai pesar na formatação cultural e intelectual do até então ignorado artista. Nos finais da década de setenta trava conhecimento com Óscar Alves e é no seu atelier que vê despontar o gosto pela arte, começando pelo trabalho em barro. Logo no inicio da década de oitenta surge com a sua primeira exposição, em terras do Ribatejo (Santarém).

lxi-2827-01.jpg

O sucesso passa a fazer parte da sua carreira profissional e não demora vamos dar com ele em Madrid aluno do famoso fundidor Jose Luiz Ponce. A porta do êxito está aberta; monta o seu atelier e daí em diante as exposições sucedem-se e os seus trabalhos em bronze, prata e ouro ganham fama e as encomendas não param de chegar.

Escultura.jpg

Homem simples e generoso Domingos de Oliveira nasceu em São Pedro de Atei, concelho de Mondim de Basto, distrito e diocese de Vila Real , a 26 de Setembro de 1950, e em busca de outros horizontes emigrou para Lisboa em 1968, onde tirante o tempo em que esteve em Angola como tropa, e as estadias temporárias com exposições e estudo além fronteiras, Domingos de Oliveira é, como eu, um alfacinha com alma de transmontano de Basto.

 

 

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 10:51

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Dezembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12

14
15
17
18
19
20

22
23

29
31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO