Neste blog, vou passar fazer todo aquele trabalho que habitualmente tenho vindo a distribuir por vários blogs. Dar descanso aos velhos....

16
Mar 19

No domingo, como estava para deixar terras de Leiria lembrei-me passar pela Praia do Pedrogão afim de ver o andamento das obras e dos preparativos para a receção dos veraneantes da aproxima época balnear. Sobretudo no que respeita aos arranjos daquilo que as ultimas tempestades se encarregaram de destruir e eu desejava ver pronto e acabado.

Pois que deixaram a praia irreconhecível por ocasião da tempestade Lislie, e agora pelo que vi estou convencido que já posso avisar os meus compadres, que gostam muito de almoçar no Quebra Mar, do pé em que está a situação.Apenas passei de fugida, todavia pareceu-me que as obras estão em bom ritmo, e que vamos ter Pedrógão a valer. Gostei do que vi, desde a Rotunda da Cáritas até às Pedras, toda a Av. Sociedade de Defesa e Propaganda da Praia está em busca de bem se enfeitar para receber os numerosos veraneantes que de norte e do sul, costumam aqui gozar suas férias.

Também com um belo Parque de Campismo, e a vizinha lagoa da Ervedeira, de água doce, a dois passos, os veraneantes encontram nesta tradicional aldeia piscatória motivo para se deliciar, e tem nos Amigos do Pedrógão precisos apoiantes.

 

 

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 15:30

22
Fev 19

Por: Costa Pereira

São mais as vozes do que as nozes do Outeiro (Bajouca-Leiria)
Certo é que a freguesia da Bajouca se tornou menina querida da edilidade leiriense e razão tem para ser amada e acarinhada por quem dirige os destinos do concelho. Mas vamos á descrição do que se passou e a história regista:
A todos os títulos louvável, menos em um que me escuso destacar, mas o certo é que de fato a Bajouca ganhou em mudar de cor partidária. O saneamento básico, em andamento, o campo das Pedras que mais parece um estádio, e agora a recuperação da Escola do Outeiro pontinha e inaugurada, no passado dia 15 é um caso para louvar esta mudança de ares partidários que durou desde o 25 de Abril até às ultimas eleições. Pronta e benzida pelo pároco Sr. Padre Davide Gonçalves, que esteve presente desde início do festivo ato, e com a freguesia em peso como é tradição nestes eventos solenes.


Merece ser comentado, e vou comentar foram 45 gostos e mais uns posinhos, que se dignaram tecer ao meu post sobre a reconstrução da escola do Outeiro-Bajouca. Começou pelo meu amigo António Martins, Saudade Carreira, Fernando Rodrigues Ferreira, Zeca Costa, Lígia Afonso, Maria Helena Coelho, General Franco Charais, António Pereira, Raul Silva, Ilda Gaspar, Catarina Isabel Gaspar Silva, Cristina Bailão, Susana Natália, António Aires, Idalina Carreira, António Manuel, Pedro Pedrosa, Rosineide Tomé, Linita Pedrosa, São Santana, Helena Estrada, Marta Gaspar, Susana Tomas J, Carlos Domingues, Ana Paula Bento, Sílvia Carreira, Virgínia Alberto, Sílvia Ferreira, Maria do Rosário Soares, Nuno Pedrosa, Isabel Jerónimo, Maria Helena Silva, João Miguel Pereira, Gracinda Pedrosa, Nati Ferreira, Arménio Carreira, David Cabecinhas, Cláudia Santana, Tp Pedrosa, Aldina Pedrosa, Teresa Lisboa, Lucília Carvalho e Nazaré Figueira. Isto para demonstrar que do Minho ao Algarve, de Portugal às Astúrias, onde o meu amigo e conterrâneo Zeca Costa por casamento assentou arraiais. De Fafe, o meu sobrinho António Pereira, e da Povoa de Varzim, onde se fixou após regresso do antigo Ultramar, o meu amigo Fernando Rodrigues Ferreira, e dos Algarves, a terra escolhida para viver por Franco Charais, a todas chega a voz de quem por muitas vezes prega no deserto. Mas já agora também os comentários de quem concorda e discorda do que muitas vezes digo, e quantas vezes com razões suficientes para discordarem. Começo pelo Hugo Alberto:

“Belo texto mas com uma grande confusão partidária amigo...
1- Viaduto: Anterior cor partidária.2- Complexo Desportivo: Anterior cor partidária.
3- Saneamento Básico: as obras já decorriam antes da mudança partidária.
4- Escola Primária: As obras já decorriam antes da mudança partidária. Os primeiros desafios desta nova cor partidária que lidera a freguesia é ver a oposição que conseguem ter perante a exploração de gás e que projectos conseguem trazer para a freguesia, que até ver não tenho conhecimento.

Fernanda Soares Haja quem relembre a quem depressa esquece.
José Augusto Costa Pereira A prova é que se não esqueceram. Mas fizeram bem relembrar. Também não duvido que com os governantes que temos se não fosse em nome de cor sua, as obras ficariam na prateleira. Mas todos quantos comentaram têm a sua razão. Obrigado por me lerem.

Arménio Neves É de louvar o facto de estarem a pôr em prática os projectos já existentes, era uma necessidade para a N/ Freguesia, o que está em causa não é a cor política, é a coragem das pessoas que lideram, achei mal, irem a sufrágio como independentes e agora afirmarem-se PS, é caso para dizer, enganaram o povo!!!!!!!!!!!
José Augusto Costa Pereira Não sou eleitor em Leiria, nem na Bajouca por isso boca caladinha, da minha parte.
Arménio Neves José Augusto Costa Pereira Eu percebi caro Amigo Costa, sempre aquele abraço...


Hilário Estrada É fácil cotar fitas e dar continuação as obras mas o mérito do inicio destas não são de longe nem de perto desta junta pois as obras do saneamento e da escola assim como os passeios já estavam projectadas e iniciadas quando a tomada de posse desta junta .Agora aguardamos pelos fins destas obras e pelos novos projectos desta junta .

David Soares Estrada Completamente de acordo contigo Mano tem que se dar
os elogios a quem os merece!!! Abraços felicidades

Armindo Pedrosa Ainda bem que alguém está atento aos tempos”.

Merece ser comentado
Por: Costa Pereira

Restauração da escola do Outeiro (Bajouca-Leiria)
Certo é que a freguesia da Bajouca se tornou menina querida da edilidade leiriense e razão tem para ser amada e acarinhada por quem dirige os destinos do concelho. Mas vamos á descrição do que se passou e a história regista:
A todos os títulos louvável, menos em um que me escuso destacar, mas o certo é que de fato a Bajouca ganhou em mudar de cor partidária. O saneamento básico, em andamento, o campo das Pedras que mais parece um estádio, e agora a recuperação da Escola do Outeiro prontinha e inaugurada, no passado dia 15 é um caso para louvar esta mudança de ares partidários que durou desde o 25 de Abril até às ultimas eleições. Pronta e benzida pelo pároco Sr. Padre Davide Gonçalves, que esteve presente desde início do festivo ato, e com a freguesia em peso como é tradição nestes eventos solenes.


Merece ser comentado, e vou comentar foram 45 gostos e mais uns posinhos, que se dignaram tecer ao meu post sobre a reconstrução da escola do Outeiro-Bajouca. Começou pelo meu amigo António Martins, Saudade Carreira, Fernando Rodrigues Ferreira, Zeca Costa, Lígia Afonso, Maria Helena Coelho, General Franco Charais, António Pereira, Raul Silva, Ilda Gaspar, Catarina Isabel Gaspar Silva, Cristina Bailão, Susana Natália, António Aires, Idalina Carreira, António Manuel, Pedro Pedrosa, Rosineide Tomé, Lenita Pedrosa, São Santana, Helena Estrada, Marta Gaspar, Susana Tomas J, Carlos Domingues, Ana Paula Bento, Sílvia Carreira, Virgínia Alberto, Sílvia Ferreira, Maria do Rosário Soares, Nuno Pedrosa, Isabel Jerónimo, Maria Helena Silva, João Miguel Pereira, Gracinda Pedrosa, Nati Ferreira, Arménio Carreira, David Cabecinhas, Cláudia Santana, Tp Pedrosa, Aldina Pedrosa, Teresa Lisboa, Lucília Carvalho e Nazaré Figueira. Isto para demonstrar que do Minho ao Algarve, de Portugal às Astúrias, onde o meu amigo e conterrâneo Zeca Costa por casamento assentou arraiais. De Fafe, o meu sobrinho António Pereira, e da Povoa de Varzim, onde se fixou após regresso do antigo Ultramar, o meu amigo Fernando Rodrigues Ferreira, e dos Algarves, a terra escolhida para viver por Franco Charais, a todas chega a voz de quem por muitas vezes prega no deserto. Mas já agora também os comentários de quem concorda e discorda do que muitas vezes digo, e quantas vezes com razões suficientes para discordarem. Começo pelo Hugo Alberto:

“Belo texto mas com uma grande confusão partidária amigo...
1- Viaduto: Anterior cor partidária.2- Complexo Desportivo: Anterior cor partidária.
3- Saneamento Básico: as obras já decorriam antes da mudança partidária.
4- Escola Primária: As obras já decorriam antes da mudança partidária. Os primeiros desafios desta nova cor partidária que lidera a freguesia é ver a oposição que conseguem ter perante a exploração de gás e que projectos conseguem trazer para a freguesia, que até ver não tenho conhecimento.

Fernanda Soares Haja quem relembre a quem depressa esquece.
José Augusto Costa Pereira A prova é que se não esqueceram. Mas fizeram bem relembrar. Também não duvido que com os governantes que temos se não fosse em nome de cor sua, as obras ficariam na prateleira. Mas todos quantos comentaram têm a sua razão. Obrigado por me lerem.

Arménio Neves É de louvar o facto de estarem a pôr em prática os projectos já existentes, era uma necessidade para a N/ Freguesia, o que está em causa não é a cor política, é a coragem das pessoas que lideram, achei mal, irem a sufrágio como independentes e agora afirmarem-se PS, é caso para dizer, enganaram o povo!!!!!!!!!!!
José Augusto Costa Pereira Não sou eleitor em Leiria, nem na Bajouca por isso boca caladinha, da minha parte.
Arménio Neves José Augusto Costa Pereira Eu percebi caro Amigo Costa, sempre aquele abraço...


Hilário Estrada É fácil cotar fitas e dar continuação as obras mas o mérito do inicio destas não são de longe nem de perto desta junta pois as obras do saneamento e da escola assim como os passeios já estavam projectadas e iniciadas quando a tomada de posse desta junta .Agora aguardamos pelos fins destas obras e pelos novos projectos desta junta .

David Soares Estrada Completamente de acordo contigo Mano tem que se dar
os elogios a quem os merece!!! Abraços felicidades

Armindo Pedrosa Ainda bem que alguém está atento aos tempos”.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 19:11

16
Fev 19

Uma boa jogada esta de Assunção Cristas forçar o BE e o PCP a se aliar ao PS, e obrigar Rui Rio a demonstrar se quer ou não ser oposição ao PS, ou melhor se esta interessado na queda da “geringonça”. Se isto se não der quem acaba por ganhar é o CDS por ter a coragem de desafiar toda a oposição que se diz contraria a conjuntura política que na AR domina desde 2015. O momento é favorável, pois em luta está o professorado, a enfermagem, funcionários das finanças, do lixo, escolas encerradas por falta de pessoal, tudo quanto é necessário para condimentar um bom debate no Parlamento. Acrescido da noticia de que o PSD citava a noticia em que festa no interior da Cadeia de Paços de Ferreira organizada por detidos, se  não vislumbrava nenhum guarda prisional ali por perto. De notar que por certo Assunção Cristas está consciente que entre o PS, PCP e PEV, existe um acordo em que estes partidos estão obrigados a examinar conjuntamente qualquer moção que vise derrubar o Governo, e é por isso mesmo que ela apresenta a moção para os ver retratados, penso eu.
Que me não queria na pele de António Costa é uma verdade, nota-se que envelheceu nestes três anos que bem melhor faria se não tivesse tirado o lugar ao Dr. Passos Coelho, não ganhou nada, e os portugueses também não. É uma balburdia com reclusos a fazer festas e a partilhar no Facebook, e como resultado mais uma demissão, a directora da cadeia de Paços de Ferreira, Drª. Maria Fernanda Barbosa. Um pagode meus senhores, um pagode !!!

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 16:48

10
Fev 19


Achei graça e piada a um comentário do Doutor Armando Palavras, à cerca de algo que alguém redigiu sobre Flávio Vara, e que pelos vistos esse alguém a dosou bem com piri-pin a respectiva transcrição. Adiantando que só podia ter sido a mondinense Maria da Graça, que nos foi apresentada pelo ilustre mondinense Costa Pereira, mas que nutre um amor extraordinário pela terra da esposa – a BAJOUCA, no concelho de Leiria.Sim senhor ! Em boa verdade sou conterrâneo e amigo da Maria da Graça Matos, por quem nutro muita amizade e admiração além de dever muitas atenções e até favores pela sua divulgação a meu respeito junto das figuras proeminentes das letras nacionais. Já que se trata duma apaixonada pelos autores transmontanos e beirões das margens do rio Douro. O nosso conhecimento virtual nasceu ao pedir-me para num dos meus blogues fazer a divulgação da obra do saudoso escritor transmontano Nelson Vilela, que foi seu professor em Mondim de Basto, quando ainda era muito jovenzinha. Mas toda esta nossa amizade mantém-se por via virtual, e só quando surgem convites que justifiquem lá vamos travar um bate-papo com co-provincianos nossos na Praça do Campo Pequeno, nº 50-3ºEsq, onde a Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro tem a sede da colónia alfacinha, dos transmontanos da diáspora. Assim foi o que no dia 6 do corrente aconteceu e mereceu do Doutor Armando Palavras tão curioso comentário. Que aqui transcrevo: Armando Manuel Gomes Cá vai um piri-piri: Aí está mais uma leitora de Flávio Vara, único neste tipo de poesia. Só podia ser a caríssima Amiga, a mondinense Drª Maria da Graça que nos foi apresentada pelo ilustre mondinense Costa Pereira, mas que nutre um amor extraordinário pela terra natal da esposa - a BAJOUCA, no concelho de Leiria. 

Pena não ter adquirido um exemplar do tão interessante trabalho de Flávio Vara, mas tinha ido apenas para tomar parte na apresentação do Romanceiro da Castanha, de Jorge Lage. Da ocasião ficou-me também na mente o excelente testemunho que deu publicamente o Dr. Guilhermino Pires ao se manifestar ser salesiano e de São João Bosco ter falado sem complexos para toda a assembleia. A ponto de relatar um feito do Santo fundador, relacionado com a castanha, fazendo recordar um facto que um dia aconteceu e provocou admiração a quem assistiu. Era o saquinho das castanhas, e o magusto tradicional dos salesianos, onde naquele dia a castanha escasseou. Mas logo o milagre se deu e as castanhas de um pequeno saquito se reproduziram. Esqueceu-se foi de dizer que São João Bosco é


Achei graça e piada a um comentário do Doutor Armando Palavras, àcerca de algo que alguém redigiu sobre Flávio Vara, e que pelos vistos esse alguém adosou bem com piri-pin a respetiva trancrição. Adiantando que só podia ter sido a mondinense Maria da Graça, que nos foi apresentada pelo ilustre mondinense Costa Pereira, mas que nutre um amor extraordinário pela terra da esposa – a BAJOUCA, no concelho de Leiria.

 

 


Sim senhor ! Em boa verdade sou conterrâneo e amigo da Maria da Graça Matos, por quem nuto muita amizade e admiração além de dever muitas atenções e até favores pela sua divulgação a meu respeito junto das figuras proeminetes das letras nacionais. Já que se trata duma apaixonada pelos autores transmontanos e beirões das margens do rio Douro. O nosso conhecimento virtual nasceu ao pedir-me para num dos meus blogs fazer a divulgação da obra do saudoso escritor transmontano Nelson Vilela, que foi seu professor em Mondim de Basto, quando ainda era muito jovenzinha.Mas toda esta nossa amizade mantem-se por via virtual, e só quando surgem convites que justifiquem lá vamos travar um bate-papo com co-provincianos nossos na Praça do Campo Pequeno, nº 50-3ºEsq, onde a Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro tem a sede da colonia alfacinha, dos transmontanos da diáspora. Assim foi o que no dia 6 do corrente aconteceu e mereceu do Doutor Armando Palavras tão curioso comentário. Que aqui transcrevo: "Armando Manuel Gomes Cá vai um piri-piri: Aí está mais uma leitora de Flávio Vara, único neste tipo de poesia. Só podia ser a caríssima Amiga, a mondinense Drª Maria da Graça que nos foi apresentada pelo ilustre mondinense Costa Pereira, mas que nutre um amor extraordinário pela terra natal da esposa - a BAJOUCA, no concelho de Leiria".

Pena, tenho eu, não ter adequirido também um exemplar do tão interessante trabalho de Flávio Vara, mas tinha ido apenas para tomar parte na apresentação do Romanceiro da Castanha, de Jorge Lage.Da ocasião ficou-me também na mente o excelente testemunho que deu publicamente o Dr. Guilhermino Pires ao se manifestar ser salasiano e de São João Bosco ter falado sem complexos para toda a assembleia. A ponto de relatar um feito do Santo fundador, relacionado com a castanha, fazendo recordar um facto que um dia aconteceu e provocou admiração a quem assistiu. Era o saquinho das castanhas, e o magusto tradicional, onde a castanha escasseou. Mas logo o milagre se deu e as castanhas  de um pequeno saquito se reproduziram. Esqueceu-se foi de dizer que São João Bosco é o patrono dos ilusionistas católicos.

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 15:18

08
Fev 19


De Braga veio até Lisboa, o Dr. Jorge Lage para na Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro, sediada no nº 50-3º Esq. da Praça do Campo Pequeno, fazer a apresentação do mais recente trabalho que sobre a castanha escreveu. Deste fecundo estudioso, adiantou A.M. Pires Cabral : “Não poso ler qualquer referência a castanheiros que não pense em si e na sua obra”.Presente o conhecido antropólogo Doutor António Vermelho do Corral que invocando o castanheiro deu do seu concelho, Vila Nova de Foz Coa, uma visão muito exacta do seu estado político, religioso e social. Foi o 1º concelho, onde graças a ele, a “Antologia dos Escritores Transmontanos, Durienses e da Beira Transmontana” foi apresentada.Depois foi a apresentação do distinto transmontano que nasceu em Mirandela e há muito está radicado na “Cidade dos Arcebispos”, à Drª. Elsa Moreira, que faz parte da direcção da Casa, calhou fazer a apresentação de Jorge Joaquim Lage, um mirandense que nasceu em Chelas, freguesia de Cabanas, em em 06/4/48. Seguiu a carreira militar integrado no Curso de Oficiais de Milicianos que em 1973 concluiu, em Mafra. Mais tarde, já coronel na reserva, meteu-se por outro caminho e na Universidade do Porto, se licenciou em História. Como de costume ao Doutor Armando Palavras coube a apresentação do livro que com a competência que todos lhe reconhecem começou por louvar a obra a todos os títulos muito bem escrita, lustrada e enriquecida com documentações recolhidas nas fontes de origem.
No inicio e no fim o Dr. Hirondino Isaías, presidente da Direção da CTMAD, agradeceu a presença dos todos os presentes, assim como o Dr. Jorge Lage que também fez o mesmo.
A apresentação terminou com um rico jantar de botelo, à transmontana, e com rasgados elogios a este excelente investigado que na área em que se meteu já está consagrado e por certo não tem rival a nível internacional. Dos presentes destaco a presença do cineasta mirandês Leonel Vieira, e ainda Guilhirmino Pires, de Murça, Flávio Vara (o poeta da Nata do Povo), de Rio Frio – Bragança, e outros cujo nome não recordo.

Parabéns Dr. Jorge Lage, fui lá por causa de si, e desafiado pela minha distinta conterrânea Maria da Graça, sem dúvida uma das principais divulgadoras dos poetas, escritores e artistas transmontanos e beirões da beira transmontana.

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 16:05

25
Jan 19


Hoje ainda volto… à Bajouca porque entretanto recebi duas fotos a relembrar o que no domingo dia 13 se fez em homenagem aos que já partiram, mas que enqunto vivos deram o seu melhor pela terra e em particular pelo GAU. Estava e foi anunciada na missa dominica das 09h00; mas por razões muito especiais - a saúde nem sempre colabora – não participei na romagem ao cemitério que pelas 15h30 teve lugar.

Juntou-se muita gente que vi reunir-se no adro e depois uma minha sobrinha fez o favor de me enviar duas totos das quais me sirvo para ilustrar este post. E mais acrescento que ninguem dos prediletos foi esquecido, até os que repousam fora do espaço geografico da capital do barro leiriense foram visitados, pois deram o seu melhor ao GAU, caso do Manuel “ Chareu”, que repousa no cemiterio de Monte Redondo, e o Eduardo, no de Carnide-Pombal.

Na Bajouca foram lembrados 18 pessoas que já estão na terra da verdade, e uma rosa em cada das suas campas foi depsta; e para a Isabel Pedrosa, autora da letra do hino do grupo, a generosidade evidenciou-se com um merecido arranjo de flores. Povo generoso, o bajouquense.

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 13:41
tags:

23
Jan 19

Hoje, dia 21, calhei de me deter um pouco mais a ver os comentários que se fazem noutras publicações que não minhas e fui dar com dois deles que registei pelo facto de estarem relacionados com o assunto em foco. Achei graça até pelo facto de na véspera, domingo, a Bajouca se ter reunido com uma das maiores porções de bajouquenses que são contra a implantação dessa exploração de gás natural dentro do seu espaço geográfico.

Digo maior parte porque nestes casos há sempre um ou outro do contra e se assim não fosse deixava de ter a tal gracinha que faz jeito sempre existir para dar tempero aos grandes eventos. Mas vamos ao que rezam os tais dois comentários a que faço alusão. O primeiro é de Cristina Bailão que diz : “Tu até te podes rir porque dá vontade, continuo a achar que eles pensam que somos campónios e que basta nos acenar com notas que entraremos nos seus esquemas”, e logo na mesma linha surge Paulo Jorge Alves e acrescenta: “Não vale de nada estarem a enviarem seja o que for, pois eles não vão realizar nada de nada na Bajouca, na sessão de esclarecimentos em Monte Redondo verificou-se qual a posição da população, porque não realizam a sessão de esclarecimentos solicitada já algum tempo? O Sr. Dr. está com medo? A população levantou um pouquinho do véu na sessão de esclarecimentos em Monte Redondo e assustou-se logo? Teremos que tentar que eles venham ao encontro da população e explicarem o que pretendem realizar se estão de boa fé qual o problema? Lutaremos até às últimas consequências, juntos seremos mais fortes, não vamos esmorecer nem dar o braço a torcer, sou e serei sempre nacionalista e patriota, o que é de Portugal é dos Portugueses e só aos Portugueses pertence, HERÓIS DO MAR, NOBRE POVO NAÇÃO VALENTE E IMORTAL.....”.

Por acaso até assisti e divulguei essa sessão que decorreu em Monte Redondo no dia 4 de Janeiro, onde aludi ao facto de muitos dos abutres já estarem à espera dos cadáveres, mas continuo que vão ter que aguardar porque enquanto há vida há esperança, e na Bajouca é coisa que nunca faltou. Foi disso testemunho mais uma sessão de esclarecimento que na Bouça de Cá, os contra à exploração do gás se manifestaram em convívio que reuniu uma grande parte dos bajouquenses melhor esclarecidos e que se manifestam contra a presença da Australis Oil & Gás, no que toca a explorações dentro do seu espaço geográfico. Aqui mandam os bajouquenses.

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 13:50

18
Jan 19

Para este nosso governo os problemas não existem, e quando surgem lá temos um António Costa ou algum dos seus subordinados prontos para travar o agravamento. É o caso do “Brexit” que a suceder já está em mente, meter mais 6O funcionários para “assegurar as novas obrigações de controlo alfandegário” e reforçar a presença consular em vários pontos do Reino Unido. Isto foi o que pelos vistos garantiu ao negociador-chefe da União Europeia Michel Barnier. Só que para enfermeiros, bombeiros, professores, guardas prisionais, obras nas escolas, nos hospitais etc. etc., é que não passa de conversa fiada.
Mas por melhor caminho também não trilha Isabel Meirelles que considerou as declarações de Montenegro, critico de Rui Rio, de modo pouco credíveis ao recordar que se não fosse o apoio de Rui Rio também Passos Coelho não teria ganho as ultimas eleições. Não comento, mas o facto é que foi bom vir a terreiro o militante Luís Montenegro, porque obrigou Rui Rio a sujeitar-se a uma moção de confiança e assim ver aprovada a sua condição de presidente do Partido, com 75 votos a favor e 50 contra, além de um nulo. Ganhou com 60%. Devo no entanto dizer que um partido que anda a medir forças dentro das suas esferas está sujeito a ficar mal no exame dos seus eleitores. Aguardamos.
Não fica bem num partido desta dimensão aparecerem críticos desta espécie que em vez de cativar o eleitorado o afasta e repele para outras áreas políticas ou o torna indiferente e deixa de acreditar naquilo que com muito penhor, coragem, dedicação e total entrega de Homens, como Francisco Sá Carneiro e António Patrício Gouveia o idealizaram para Portugal.
Democracia que nos é apontada pela doutrina Social Democrata e não tem nada a ver com esta confusão de ideias e de trocas e baldrocas de gente que se deixa levar por interesses pessoais e muitas vezes contrários ao sermão que pregam nos comícios ou na comunicação social. Depois admiram-se de ver outros partidos crescer em desfavor da Social Democracia, sem dúvida o mais afeiçoado ao meu sentido de voto.

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 18:20
tags:

10
Jan 19

ajh

Para continuar para o novo blogue, siga por aqui:

Uma vez que na Sapo esgotei o meu espaço para utilização de imagens tive que optar por outro modo de poder fazê-lo por isso aquimetem passou para a Gmail. Muito obrigado à Sapo e às equipas que ali trabalham e muito me ensinaram. Bem hajam.

Costa Pereira

 

https://oitentaemuitoano.blogspot.com/

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 15:30

05
Jan 19

DSC02050.JPG

Começo por analisar o facto da empresa em causa só entrar em negócio com as câmaras onde se instalou, aquando precisamente António Costa se guindou ao topo das autarquias retirando de lá quem tinha ganho com os votos do povo: Passos Coelho. Aqui ressalvo o caso de Pombal que no Carriço já tem um furo de armazenamento de gás natural que Monte Redondo a seu tempo excluiu da sua área geográfica.

DSC02064.JPG

Não me passa pela cabeça pensar mal quem se diz estar nas câmaras e nas juntas de freguesia para defender os eleitores que lá os colocaram, mas a verdade foi que ouvi ontem em Monte Redondo, o representante da Australis Oil & Gás com todo o a vontade dizer que a empresa se compromete a recompensar com os lucros, as autarquias prejudicadas. O resultado foi que já quase no fim da sessão de esclarecimento, que no dia 4 de Janeiro pelas 21h00 aconteceu no Centro Escolar local, surgir um assistente que zangado se atirou descaradamente aos membros promotores da sessão e os acusou de atraiçoarem o seu eleitorado. Com todo o seu natural à-vontada a sra. presidente da União das Freguesias Monte Redondo e Carreira lá se defendeu alegando que só mais tarde soube do sucedido. Em fim, explicou-se. Da Bajouca apenas vi destacar-se a presidente da ABAB, Maria de Fátima Domingues Fernandes, que sim senhor, defendeu a sua dama.   depois quando em cena publicitária se fazem de inocentes e alheios aos acontecimentos deste género. Este governo já fez os acordos, sem consultar as populações locais, com a Australis. Concedendo-lhe as concessões para prospeção e pesquisa de gás natural na região de Leiria que envolve os concelhos de Leiria, Batalha, Pombal e Marinha Grande, alguém me segredou que já vem do governo anterior, o que para mim é novidade, mas é uma questão de averiguar. Uma coisa é certa: duvido que no caso da Bajouca o projecto se consuma, pois estou-me a recordar do que foi aquando do autoestrada da A17 em que a Bajouca bateu o pé por causa duma passagem na Bajouca de Baixo e tiveram de obedecer aos desejos dos bajouquenses. Neste caso é bem pior, porque além dos bajouquenses, têm Monte Redondo, Pombal e até muitos do Carriço a fazer força para travar a implantação do furo de gás natural que querem explorar aqui para destruir o ambiente duma aldeia pacata e saudável que tem o apreço e admiração de muitos portugueses e até de estrangeiros que aqui vêm passar férias. Sabemos que muitos dos abutres já estão à espera dos cadáveres, mas vão ter que aguardar porque enquanto à vida à esperança.

publicado por aquimetem, Falar disto e daquilo às 22:29

Março 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

blogs SAPO