Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Fridão continua a ser noticia

por aquimetem, em 06.03.17

Do alto com Maria, para com Maria chegar a Jesus..

 Monte Farinha
Aproposito da teimosia em se construir a barragem de Fridão e desse modo matar o encanto do leito do Tâmega, no troço entre Amarante e Caves, tenho presente um comentário feito por figura mondinense, em 2008, que reproduzo: “Qualquer Transmontano com verdadeiro amor ao Torrão Natal, sente como se fosse na sua pele, os atentados devastadores a este "Reino Maravilhoso" que são as nossas montanhas e os rios da nossas terras”. Agora que António Costa andou por Mondim de Basto voltou o Fridão à baila, com a EDP a engraxar mediante promessa de apoio a 2,7 quilómetros de estrada orçada em 8,5 milhões de euros

FOTOS FERIAS AGOSTO 2009  3.JPG

 Fisgas de Ermelo
Não deixo entretanto de felicitar o Eng. Humberto Cerqueira pelo seu empenho em ver Mondim de Basto acompanhar o progresso e desenvolvimento que, sobretudo no litoral, muitas terras conseguiram, mas que não seja com barragens no Tâmega, nem pedreiras no Monte Farinha. Duvido que não hajam mondinenses com capacidade, até económica, para apostar em projectos que se apliquem às carências do concelho e que a autarquia facilite ou promova essa hipotética possibilidade.

Vilar e Bajouca 075.jpg

Tâmega

Que melhorem os acessos à região e se criem estruturas locais capazes de satisfazer as ansiedades de quem ali vive, merece louvor. Mas nunca em prejuízo do património natural ou construído, que no fundo é graças a ele que Mondim atrai visitantes e turistas. O Monte Farinha, as Fisgas e o Tâmega são os três pilares suficientes para garantir uma industria hoteleira sustentável, e o que à volta dela resulte em promoção social e cultural. A barragem pode avançar, mas em vez de louvor, os mondinenses que amam a beleza paisagística da sua terra jamais vão desculpar tão rude atentado contra o“sagrado Tameobrigus”. Há indivíduos que só pensam pela cabeça dos outros, é tempo de lhes lembrar que também devem pensar com a deles

Autoria e outros dados (tags, etc)

DSCN9354.JPG

 O seu zelo no estarem no que faziam e fazerem o que deviam cedo conquistou o meu apreço e admiração que por diversas ocasiões tive oportunidade de por escrito ou pessoalmente lhes manifestar. 

008.JPG
Primeiro foi o meu conterrâneo Manuel Lopes que a 4 de Janeiro de 2013 nos deixou, mas permanentemente vivo no labor que ficou patente na sua generosidade e empenho na promoção e embelezamento do santuário de Nossa Senhora da Graça cuja arborização dos adros é iniciativa sua.

12941398_uA1u8.jpg

 Outro, nem um ano demorou, foi D. Joaquim Gonçalves, “o Bispo da Senhora da Graça” a quem a parca roubou a vida, a 31 de Dezembro de 2013, ao encontrá-lo desprevenido na Povoa de Varzim, onde após a resignação de titular da Diocese de Vila Real, vivia com um irmão sacerdote. Grande amigo de Vilar de Ferreiros e devoto de Nossa Senhora da Graça. 

FOTOS Ferias Agosto 2009 4 039.jpg
Os últimos são os primeiros e aqui tem destaque particular, “ o Gigante com coração de pomba”, o Padre Correia Guedes ou “ o Padre da Senhora da Graça”. Nasceu em Torgueda (Vila Real) a 04 de Julho de 1932, e faleceu em Vilar de Ferreiros (Mondim de Basto) no dia 03 de Janeiro de 2016. Ordenado sacerdote em 21 de Setembro de 1957, foi no concelho de Mondim que generosamente gastou a sua vida ao serviço da Igreja e das almas. A quase totalidade do seu múnus sacerdotal foi como pároco de Vilar de Ferreiros e por aderência presidente da Irmandade de NS da Graça. São figuras a não deixar que se apaguem da memória do povo, porque a elas se deve muito do que de atractivo os peregrinos e romeiros de Nossa Senhora da Graça, e do Santinho, Santiago, tem para bem os acolher nas suas escaladas ao mais sedutor miradouro do norte de Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:39


Dos transmontanos parte integrante.  

por aquimetem, em 29.11.16

ng1321769_435x490.jpg

O 25 de Novembro senão feriado devia pelo menos ser recordado a nível nacional com parada militar sob égide dos Comandos. Foram eles que destronaram quem abusivamente tomou o poder que o 25 de Abril construiu com a promessa de tornar Portugal democraticamente livre. A Câmara Municipal de Lisboa que ainda o ano passado se propôs assinalar o evento por proposta do vereador João Gonçalves Pereira (CDS-PP) mereceu igualmente os votos favoráveis de sete vereadores do PS e dos três eleitos pelo PSD. Mas este ano tudo foi silenciado, uma vez que a “geringonça” é superior a tudo.Claro que desagradava aos que no Período Revolucionário de 1975 ( PREC) , viram os seus projectos tombar. Fundamentam-se os que discordam no facto de se tratar de uma data que nega os valores de Abril, isto no entender do PCP e demais partidos de esquerda.

Já o ano passado a data foi ignorada, embora no Parlamento fosse o assunto abordado, mas no momento da decisão, diz a noticia : “Os partidos da esquerda (PS, PCP, BE e PEV) faltaram hoje à reunião do grupo de trabalho proposto pelo presidente da Assembleia da República para discutir uma eventual evocação parlamentar do 25 de Novembro de 1975, data que marcou o final do Processo Revolucionário em Curso (PRE)”.

Jaime Neves, o “Comando” que ao tempo liderava o Regimento de Comandos da Amadora, foi o herói do 25 de Novembro ao forçar os militares revolucionários da Policia Militar na Calçada da Ajuda a se renderem; e assim, as Forças Armadas verem restabelecida a normalidade. Natural de São Dinis, Vila Real, onde nasceu em 1936, como militar além de no continente , serviu também Portugal em África e na Índia. Um verdadeiro combatente orgulho dos portugueses e dos transmontanos parte integrante.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:41


Á boa maneira socialista

por aquimetem, em 10.09.16

IMG_6886.JPG
Afinal a coisa é mesmo como digo em post anterior: nesta gente é melhor não confiar. Não porque sejam piores, mas semelhantes aos seus iguais. Promessas de mudança para melhor, e o resultado está à vista, agora com toda a esquerda na governança….Os maus sãos os da direita que comem tudo e não deixam nada. É pena que uma grande parte dos eleitores se deixem arrastar por falsas promessas e depois tenham que pagar caro o prometido. Quanto ao eleitorado até se desculpa pois está pendente da simpatia e favoritismo que o liga aos cabecilhas partidários, vota sempre no seu partido, e não muda. Também no desporto assim é….E eu não sou diferente dos meus amigos, confesso. Os tais cabecilhas, os autarcas, é que deviam, pelo menos, impor-se nos locais de decisão. Têm esse dever.

IMG_6896 (2).JPG

Depois o resultado é este: como da Bajouca (Leiria), divulguei em Portugal, minha terra, noticia do Diário de Leiria, a dar conta do encerramento temporário do Posto Médico local; no dia 07 foi o Correio da Manhã a fazer saber que também o Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro ( CHTMAD) , com sede em Vila Real, ficou sem a única cirurgiã vascular, porque o ministro da tutela autorizou a sua transferência para o hospital de Guimarães. É o governo que temos e a saúde cuidada à boa maneira socialista..E mais não digo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:07

 

caricatura.jpg

Foi através de Barroso da Fonte que soube da morte do Padre António Cardoso, sacerdote zeloso da missão e jornalista distinto que se notabilizou como director do Jornal “ A Voz de Trás-os-Montes”. Natural de Celeirós (Sabrosa), onde nasceu a 31/03/1922, o Padre António Maria Cardoso, faleceu a 11/07/16, no Lar de Santo António, Araucária, em Vila Real. Ordenado sacerdote em 23/12/944, pelo Bispo D. António Valente da Fonseca, foi professor, capelão militar e considerado um dos grandes pregadores da diocese. Tinha nele um verdadeiro amigo, e sempre que passava por Vila Real ia visitar. A ultima vez que o fiz recebi dele uma lição. Estava hospedado no Hotel Miracorgo, e como veio a-propósito citar o nome, pronunciei “mira côrgo” e logo o meu saudoso amigo interferiu: - aqui, em Vila Real, não se diz  “Côrgo”, mas "Córgo". Pena tive de ser preciso um Barroso da Fonte me enviar um artigo seu para receber tão triste novidade. Estes transmontanos! Foi assim, por Barroso da Fonte:
"Faleceu dia 11 e foi sepultado no dia seguinte. Completara 94 anos em 31 de Março. Veio ao mundo em Celeirós do Douro, concelho de Sabrosa. Foi ordenado pelo Bispo D. António Valente da Fonseca e celebrou a primeira Missa,em 31-12-1944. Mais tarde fez o Bacharelato na Faculdade de Letras de Lisboa e efectivou como Professor na Escola Secundária de S. Pedro, em Vila Real. Foi um dos mais conhecidos pregadores do seu tempo, ficando célebres os sermões que fez, em 1954, durante a visita da Imagem de Nossa Senhora de Fátima, na sua peregrinação pelo distrito de Vila Real. Leccionou no Seminário de Santa Clara, no Colégio da Boavista, no Liceu de Vila Real, no Liceu Mousinho de Albuquerque, em Moçambique, onde foi Capelão militar, na Escola Secundária de Sabrosa e na Preparatória de Diogo Cão. Foi pároco de Provesende e de S. Cristóvão, Gouvães e Celeirós do Douro. Assistente religioso da UTAD. Foi presidente de Lions Clube de VR, colaborou com a Cruz Vermelha Portuguesa, Cofundador do Movimento 10 de Junho e cofundador da Associação Nacional dos Combatentes do Ultramar, da qual foi capelão nacional. Foi igualmente sócio Fundador e dirigente do Gabinete de Imprensa de Guimarães, do Instituto Português da Imprensa Regional e da Associação Portuguesa da Imprensa Regional. Colaborou em diversos programas das rádio Alto-Douro, na Rádio Clube de Moçambique, na Rádio Universidade do Marão e foi o substituto do Padre Henrique Maria dos Santos, como Diretor deste Jornal. Foi com ele que a Voz de Trás-os-Montes deu o salto qualitativo que ainda hoje prossegue, para ser um dos mais conhecidos, influentes e disputados Semanários do País. Escreveu mais de uma dúzia de livros e, pelo que foi, como Padre, como docente, como orador e purista da Língua Portuguesa, bem merece da sociedade Portuguesa uma justa homenagem. Vila Real que tem mostrado grande sensibilidade em perpetuar a memória dos seus mais ilustres filhos, certamente irá perpetuá-lo na sua toponímia, assim como Sabrosa e Celeirós do Douro.
O padre António Maria Cardoso deixou uma vaga difícil de preencher no clero diocesano de Vila Real, no tocante à pregação. Dotado de palavra fácil, com uma diversidade verbal rica, fluente, sóbria e numa tonalidade de voz impressionante, fascinava quem o ouvia e quase inspirou «o ponto» que os pivôs televisivos e até políticos de proa usam hoje para os seus comícios ou recados mais ríspidos para com os adversários.
A dicção favorecia-o, o gesto bem treinado, reforçava a harmonia do discurso e tudo, naquele bem falante, era agradável de ouvir. Falava-se num Padre Luís Castelo Branco, parente de Camilo como possível mestre de António Maria Cardoso. Pessoalmente fui influenciado na ânsia de imitar o Padre Cardoso, já que não conheci o Padre Luís. Mas este pedagogo, professor, jornalista e dirigente associativo, ficará na retina de muitos jovens da minha idade que passámos pelo mesmo seminário e tivemos a sorte de o conhecer por muitos e bons anos. Homens como António Maria Cardoso nascem de século a século. E é também por isso que aqui deixo a este notável Transmontano a minha profunda gratidão".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:49


Do Corgo até ao Cavado

por aquimetem, em 30.04.16

Imagem (103).jpg

 Rio a cima, vai se dar à terra do Menino Jesus da Cartolinha, Miranda do Douro, uma cidade portuguesa do distrito de Bragança, Região Norte e sub-região de Trás-os-Montes.Tem língua própria que se fala nas Terras de Miranda: o mirandês. O povo do Planalto Mirandês é piedoso e crente, a devoção ao seu “Menino Jesus surge quando já se tinha propagado o celebre caso do Menino de Milhão que repica os sinos e aclama o Rei D. João IV, no dia primeiro de Dezembro de 1640”. Não é portanto devoção original, mas que se trata de uma imagem bem esculpida dos finais do século XVII está demonstrado. No século XVIII, a imagem ainda não tinha cartolinha, alguém depois se lembrou de dotar a imagem com uma cartola nos finais do século XIX ou nos princípios do século XX. Venera-se na Se Catedral (séc. XVI) e é Monumento Nacional, digno de ver. O Menino Jesus da Cartolinha ali tem a sua festa à volta do dia de Reis, muito concorrida e em procissão levado em andor ao ombro por quatro meninos que se revezam. Enviado 22/10/72 pelo padre Guedes.

Imagem (99).jpg

Descendo paramos em Murça, onde a “porca” é seu ex-libris. Vila em franco desenvolvimento entre Vila Real e Mirandela. É uma vila portuguesa, pertencente ao Distrito de Vila Real, à Região Norte, à sub-região do Douro e à antiga província de Trás-os-Montes e Alto Douro. Celebre pela “Porca de Murça” que mais não é que uma escultura celta representando uma das divindades desse povo, o javali/urso/porca. Esta se destaca por ser a mais bem conservada, em toda a região como por todo nordeste da Península Ibérica. Um concelho a visitar com tempo para isso. Mais um dos postais enviados pelo saudoso Pedre Guedes, em 15/11/71.

Imagem (102).jpg

 De volta a Vila Real, agora para lembrar uma velha memória que tenho na retina do Hotel Tocaio, vizinho deste amplo edifício dos CTT, jóias da cidade que deram fama à rainha do Corgo. Gente fidalga por ali passou e levou boa imagem dos vila-realense. Era um encanto para mim nos anos 50 olhar aqueles monumentais edifícios que na montanha não havia. Não só eu, ainda há pouco lia duma senhora que no Tocaio se hospedou, fazer as melhores referências. A Engenheira Ana Maria Nazaré Pereira que foi a primeira professora doutorada da UTAD, quando ali chegou em 1977. Esta alfacinha que foi do Restelo, recorda também que fazia sala na Pastelaria Gomes e... tricô. Como o hotel Tocaio, também a “taberna do Alemão”, outro marco da cidade, afundou e deixa mais pobre Vila Real.  Enviado pelo Padre Guedes, 12/VIII/68.

Imagem (100).jpg

 E de Vila Real, demos um salto do Corgo até ao Cávado para tomar um banho salutar, não no rio, mas nas termas de Caldelas que desde o tempo dos romanos são conhecidas naquela vila do concelho de Amares, a cerca de 15km da cidade de Braga. Na zona de transição do Baixo para o Alto Minho, esta estância termal é sitio de quem carece de  tratamento para o aparelho digestivo (especialmente intestinos) e o certo é que  anualmente desde Maio a Outubro são aos milhares os aquistas escolher esta pérola da natureza que se situa no “Coração do Minho”. Este postal foi-me deli enviado, em 18/V/1980, por um casal amigo, São e Urbano.

Imagem (101).jpg

 No concelho de Amares se situa também o famoso santuário de Nossa Senhora da Abadia, não muito afastado de São Bento da Porta Aberta, já em Terras de Bouro. São terras envolvidas pelo Parque Nacional da Peneda-Gerês. Um espaço sedutor que abrande território de 22 freguesias distribuídas pelos concelhos de Arcos de Valdevez, Melgaço, Montalegre, Ponte da Barca e Terras de Bouro. Este área protegida forma um conjunto com o parque natural espanhol da Baixa Limia-serra do Xurés, constituindo com este, desde 1997, o Parque Transfronteiriço Gerês-Xurés. Este postal não tem data, devo tê-lo adquirido numa das visitas ali feitas.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:42


ORDEM DE OURIQUE

por aquimetem, em 05.03.16

barroso_da_fonte.jpg

Tem as suas vantagens, mas também os seus quês…Na troca de mensagens online com o meu distinto comprovinciano Barroso da Fonte calhei descobrir uma mensagem que por certo nunca pensou me viesse ao conhecimento, mas veio. O seu conteúdo prende-se com uma distinção que enobrece este insigne barrosão e de um modo geral todos os transmontanos e portugueses amantes da sua Pátria. Que me desculpe e perdoe esta abusiva atitude, mas ficava pesaroso se não torna-se púbica esta distinção. Parabéns.
“De: João Barroso da Fonte <barrosodafonte@gmail.com>
Data: 3 de março de 2016 às 12:32
Assunto: Re: LISTA ALTOS DIGNITÁRIOS
Para: Ordem de Ourique <ordemdeourique@netcabo.pt>
Distinto Amigo e Ilustríssimo Transmontano Dr. Abel de Lacerda Botelho: com as mais sinceras saudações venho acusar a recepção e agradecer a relação dos dignitários da Fundação a que preside e ao mesmo tempo manifestar-lhe a minha gratidão pela honra que me deram de ser incluído nessa honrosa lista com tão gratificante simbolismo. Nunca me passou pela cabeça ter um dia este dom de Grão-Prior, depois de ao fim de dez anos de seminário nem a tonsurado chegar. Agradecendo ex corde, tudo farei para cumprir as funções para que fui designado (penso que até eleito), mesmo sabendo que foi o meu Ilustríssimo Amigo a propor-me para esse Cargo.
A minha gratidão e solidariedade para com todos os Confrades da Ordem de Ourique. Barroso da Fonte.

ORDEM DE OURIQUE
Associação Promotora de Portugalidade – Ordem de Ourique
Sócios Beneméritos:
Fundação Lusíada
Sócios Honorários:
Sua Eminência Reverendíssima Bispo Emérito de Bragança – D. António José Rafael
Sua Eminência Reverendíssima Bispo de Beja – D. António Vitalino Dantas
Sua Eminência Reverendíssima Bispo Emérito de Lamego – D. Jacinto Botelho
Prof. Dr. Gerardo Mello Mourão – Brasil – (fal.)
Dr. Nestor Biglieri – Itália
Dr. João Barroso da Fonte
Câmara Municipal de Castro Verde”.
…………………….

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:37


Vila Real em postal

por aquimetem, em 26.02.16

Imagem (12) (2).jpg

Capital de Distrito e sede de Diocese, Vila Real foi capital da antiga província de Trás-os-Montes e Alto Douro. Situada na Região Norte e sub-região do Douro, a outrora designada “Corte de Trás-os-Montes”, devido às suas muitas casas brasonadas, é hoje uma cidade em franco desenvolvimento graças à sua Universidade, Regimento de Infantaria 13 e dinamismo de todos os seus habitantes.

Imagem (7) (2).jpg

Terra-berço de Diogo Cão e acolhimento de Camilo Castelo Branco que na sua adolescência aqui viveu, daqui é também natural o herói Carvalho Araújo, ainda que casualmente tivesse nascido no Porto, devido a uma sua avó estar em tratamento na Invicta e os pais a fazer-lhe companhia. Ficou celebre por ao comando do caça-minas NRP Augusto de Castilho proteger o vapor São Miguel de ser afundado pelo submarino alemão U-139, comandado pelo ás dos ares dos submarinos Lothar von Arnauld de la Perière, a 14 de Outubro de 1918.

Imagem (11) (2).jpg

O barro de Bisalhães é famoso e muito apreciado, dentro e fora do país. Pelo São Pedro realiza-se a “Feira dos Pucarinhos” muito concorrida e animada. É a feira da louça do barro negro. Do cancioneiro Popular de Vila Real recolhemos estes versos:


“Se fores a Bisalhães,
à terra dos paneleiros,
dá por lá uma vista de olhos
à sombra dos castanheiros”.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:12


Até sempre senhor engenheiro.

por aquimetem, em 23.01.16

Espirito Santo 009.JPG

Razão tenho para me queixar do mês de Janeiro que não desiste de me dar desgostos, foi o Padre Guedes, e agora o Eng. Tomás do Espírito Santo, ainda parentes entre si. Natural de Vila Real, onde nasceu a 30 de Dezembro de 1922, este insigne transmontano faleceu em Lisboa no passado dia 19.

Espirito Santo 001.JPG

 Licenciou-se em Ciências Matemáticas, em Ciências Geofísicas, sendo Eng. Geógrafo pela Faculdade de Ciências de Lisboa. Nesta condição foi Chefe do Serviço de Previsão do tempo e director do serviço de Exploração Meteorológica. Nesta actividade trabalhou nos aeroportos de Lisboa , Santa Maria e Lourenço Marques (Maputo). Um amigo que fui ontem, dia 21, visitar numa capela mortuária da igreja de São João de Deus e assistir a uma missa de que foi celebrante monsenhor José Rafael Espírito Santo, vigário regional do Opus Dei, em Portugal, e filho dilecto do saudoso falecido.

Espirito Santo 003.JPG

Foi governador civil de Vila Real e deputado à Assembleia da Republica. Das muitas funções que desempenhou recordamos que foi “Representante de Portugal junto da Organização Meteorológica Mundial (Permanente), Presidente da Comissão nacional do Ano Europeu do Ambiente, membro da Secção Permanente do Conselho Superior da Ciência e Tecnologia (19871991); Delegado do Ministério da Qualidade de Vida na Comissão Portuguesa de Oceanologia (1984/87), membro da Comissão Nacional do Programa "O Homem e a Biosfera" e Director da Comissão Cultural Luso Americana”.  Também como regionalista serviu Trás-os - Montes e Alto Douro, partindo do labor com que na nossa Casa Regional deu muito do seu tempo, na condição de sócio e dirigente fervoroso. Também por  isso a CTMD se fez representar pelos seus corpos gerentes  e com a bandeira que a meia haste se manteve junto da urna desde as 16h00 do dia 21 até às 12h30 do dia 22, final da missa concelebrada a que presidiu Mons. Espirito Santo.

Espirito Santo 004.JPG

Na ciência  tornou-se um profissional competente e interessado no estudo e investigação, o que lhe valeu as muitas condecorações nacionais e internacionais com que foi agraciado. Também como cristão generoso e disponível este cidadão deixou rasto. A noticia que recolhi do Centro de Orientação Familiar (CENOFA) é bem elucidativa: “Ontem (19/01/2016) faleceu o nosso estimado Dr. Tomás Espírito Santo, que muitos conhecemos apenas como Engº Espírito Santo, juntando-se no Céu à sua querida esposa Carmelinda. Foram sempre uma casal exemplar, na serenidade, cumplicidade e amor forte. Muitos dos que puderam ter a sorte de acompanhar o Cenofa dos primeiros tempos, lembram-se seguramente da graça tranquila que corria no olhar e palavras do casal Espírito Santo. Também uma generosidade e uma alegria únicas que só podem ter a sua explicação em corações iluminados por uma Fé profundamente vivida “.

Espirito Santo 008.JPG

Tive a honra de tê-lo por amigo e de com ele passar bons momentos. Foi primeiro na Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa, e mais tarde em retiros e convívios que fizemos ambos. Mas já antes, era ele governador civil, o tinha por meu leitor de escritos que lhe enviava para Vila Real; só que não nos conhecíamos pessoalmente. Quando mais tarde, na Casa de Trás os Montes nos conhecemos, tornamo-nos amigos, mas sem nunca  abordar águas passadas, ou que desse a entender que fosse eu o tal remetente das noticias que mandava sobre Mondim. Assim mantive esse anonimatos durante alguns anos, até que um dia, a caminho Fátima, veio à baila a Senhora da Graça, e acontece que a certa altura lembrou-se  dizer: "quando era governador civil costumava receber jornais que alguém com o seu apelido enviava, ainda por lá tenho alguns desses jornais em casa". Calei-me, mas não consegui conter um sorriso denunciador. Claro que deu conversa para meia viagem, a outra meia foi para rezar o terço, que também em viagem o Sr. Eng. Espirito Santo nunca se esquecia. Já se acabaram os encontros dos Montes Claros, os convívios e as festas da nossa Casa. Deixa saudades e o velório e as eucaristias destes que foram os últimos 2 dias de permanência em Lisboa demonstraram isso mesmo. Vale a pena ter e merecer ter amigos.  

Espirito Santo 006.JPG

Partiu, foi a despedida. Com ele seguiram para a terra-berço, - onde hoje, sábado, D. Amândio vai celebrar missa - os restos mortais de sua muito amada esposa, D. Carmelinda (Carmelinda Augusta da Silva Santos Espírito Santo). Juntos em vida, juntos na partida e certamente juntos no Céu, pois que na terra o souberam conquistar. Até sempre senhor engenheiro.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:55

12941398_uA1u8.jpg

Nestes últimos anos, o mês de Janeiro tem-me dado fortes desgostos. Foi há dois anos, com a noticia que recordo em Falar disto e daquilo, de 13/12/14, deste modo: “No primeiro dia de Ano Novo, 1 de Janeiro, deste 2014, ia da Bajouca para Minde quando nas proximidades de Leiria o meu telemóvel deu sinal que alguém me queria falar. Atendi e não demorou que viesse a triste noticia: Faleceu o senhor D. Joaquim Gonçalves!”.

DSCN1824.JPG

Este ano também, logo pela manhã, em Domingo de Reis, recebo a triste noticia que de pronto divulguei no Facebook, às 11h16: “ Está de pesado luto o concelho de Mondim de Basto, mormente a freguesia de Vilar de Ferreiros que ele paroquiou durante meio século. Acaba de falecer o Sr. Padre Guedes, o padre da Senhora da Graça”.

Mas não fica por aqui, em 2015 foi uma cunhada que também a 02 de Janeiro deixou o Casal dos Afonsos (Bajouca-Leiria) e que muito a estimava. Dela divulguei logo no dia 03, em Falar disto e daquilo, a noticia: “Foi hoje a sepultar no cemitério da Bajouca, a bajouquense senhora D. Beatriz dos Prazeres Pedrosa, viúva de José Afonso e mãe de Maria José, João, José Carlos, Maria dos Anjos, Raul, Maria Helena, Irene, Maria dos Prazeres, Jorge, Maria da Conceição, e ainda de Isabel e Francisco Pedrosa Afonso, já falecidos”.

7879463_ln0oJ.jpg

Isto para documentar que de facto tenho razão ao me queixar do mês de Janeiro, pois que neste aspecto tem sido muito rude para comigo. E se desço mais atrás, ao ano de 1968, ali vou dar com a perda de outro grande amigo e insigne conterrâneo meu, o Abade Miranda, padre Manuel António de Morais Miranda, de quem o autor de A Ermida do Monte Farinha, o Dr. Primo Casal Pelayo, na página 103, escreveu : ” Esperava eu de Deus a alegria de lhe poder entregar pessoalmente um volume desta monografia. A dura doença que o atormentou já, o não permitiu, pois que o quis ceifar naquele fatídico dia 09 de Janeiro, pelas 14 horas e trinta minutos “. Já todas estas almas partiram à minha frente, mas deixaram parte de si no meu coração, motivo porque as recordo com saudade neste Janeiro de 2016.

18410154_f0pw0.jpg

Mais ainda porque estou recordando um Abade Miranda, que foi origem do meu empenho na defesa dos direitos de Vilar de Ferreiros na Senhora da Graça; de um Dr. Primo Pelayo que generosamente defendeu essa causa; de um bispo, como D. Joaquim que mereceu o cognome de “O Bispo da Senhora da Graça”; e de um sacerdote, como o padre Manuel Guedes, que auxiliado pelo saudoso Sr. Manuel Lopes - e pelo ainda muito activo Mário Borges Lopes- na paroquia e no Santuário de NS da Graça deixou obra de realce. Nomes a perpetuar e por isso de gravar, senão em ouro, que pelos menos seja em bronze do utilizado nas sineiras das grandes catedrais. Assim o merece quem em vida zelou e generosamente serviu aquele famoso santuário e em particular a freguesia de Vilar de Ferreiros. São estes alguns dos verdadeiros amigos do Monte Farinha que o Janeiro ceifou.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:54


Mais sobre mim

foto do autor



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D