Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quem cá ficar que o ganhe ...

por aquimetem, em 16.12.17

antoniocosta_0[1].jpg

Mete dó, ver este nosso Portugal entregue às mãos de gente sem escrúpulos e alguns dos responsáveis máximos aos abraços e beijinhos a corruptos e oportunistas sem vergonha. E como que não bastasse, virem ainda a publico manifestar a sua confiança nos suspeitos por tais actos cometidos. Tapar o sol com uma peneira, só neste país se vê, mas que além fronteiras provoca chacota, e no caso mais recente penalização já que de pronto a Raríssimas é suspensa pela Organização Europeia de Doenças Raras. É pena que gente honesta e honrada que gosta da vida política se veja envolvida nesta teia que certas aranhas tecem para se fazerem  notáveis e viver à custa dos bem intencionados que são a maioria dos portugueses. Mas também não deixa de ser estranho que muitos dos meus concidadãos teimem em entender a política como que uma espécie de religião a respeitar ou clube desportivo cuja cor nos agrada. Que os profissionais da política o façam é seu dever e obrigação, porém o vulgar eleitor tem que saber discernir, e não se deixar iludir pelas promessas eleitoralistas. Tivemos um governo que de 2011 a 2015 nos salvou da banca rota, e pagamos caro. Veio outro, que nem foi o vencedor, com muitas promessas, e tramou-nos ainda mais. A diferença foi que tapou a boca à Esquerda, bastou apenas dar-lhe a mão para todos murcharem a orelha. Que raio de esquerda esta ! O que seria se decorridos 6 meses, ainda as indemnizações às vitimas das tragédias dos fogos florestais de Junho e Outubro estivessem por fazer, com o governo do Dr. Passos Coelho e Dr. Paulo Portas? Ou se um ministro como José António Vieira da Silva que tutela o Ministério da Segurança Social e Economia se tivesse metido em sarilhos do género em que consta se ensarilhou, em relação à Raríssimas! Mas curioso, segundo sondagem recente da Euro-sondagem para a SIC e o Expresso, se se  fosse a eleições este mês, era o PS que ganhava com 40,2%. O povo gosta de quem lhe faça festinhas e o resto, quem cá ficar que o ganhe....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:17


Pesava mais que o ciclista

por aquimetem, em 30.11.17

NVYT2BVK.jpg

Não foi ver o "Dragão" que na passada 3ª-­feira, dia 21, foi à Turquia empatar (1-1) com o Besiktas, onde joga o nosso Quaresma, mas antes a Tunes para se entreter com alunos no Liceu Sadiki a falar de futebol, com Cristiano Ronaldo por tema. Foi uma aula de futebol e de fado dada em Tunes, por quem tem jeito para dar música aos de fora e aos de cá, onde ensinou que :"Portugal tem uma grande influência do árabe na sua língua: Todas as palavras começadas por "al", ou palavras como azeite e azeitona. Temos ainda grande influência islâmica na nossa arquitectura". - Quem é que sabia isto?!!! Ficou a saber. Era a 4ª Cimeira Luso-Tunisina, que no dia 20 de Novembro deu ocasião a que 12 dos 38 alunos que frequentam as turmas de português no Liceu Saddiki, instituição fundada em 1875, fosse recebidos por António Costa. Se se entenderam ou não só eles sabem. Nós por cá todos temos muita dificuldade para o entender, mesmo quando está calado

800[1].jpg

Mas esse dia 20 ficou também assinalado por uma data importante que há sete dezenas de anos ocorreu. Foi o casamento da Rainha Isabel II, então ainda princesa Isabel, com o duque de Edimburgo. Acontecimento que fez parar o mundo. Ás 10h30, de braço dado com o pai, o rei George VI, Elizabeth, entra na Abadia de Westminster, em Londres. Uns 5 anos depois voltaria a entrar ali agora para suceder, antes do tempo, ao homem que lhe dava o braço naquela manhã de Novembro de 1947. Estava-se a 2 de Junho de 1953, era ela coroada rainha de Inglaterra. Cerca de cinco anos depois da coroação, a rainha Isabel II e seu marido. o duque Filipe de Edimburgo, vem a Portugal em visita oficial, visita que decorreu de 18 a 23 de Fevereiro de 1957, em dia soalheiro. Fui assistir à  partida da soberana de regresso ao seu paí­s na tarde de 23 de Fevereiro ao aeroporto de Pedras Rubras. Bons tempos, fiz essa viagem ao pedal, numa "pasteleira" que pesava mais do que o ciclista.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:51


O Pinhal de Leiria

por aquimetem, em 04.11.17

DSC00930.JPG

Hoje enquanto a minha esposa foi com três sobrinhas enfeitar as campas dos ente queridos ao cemitério, para amanhã, dia 5, estarem asseadas ao receber a romagem que se não fez no Dia dos Fieis Defuntos, fui eu com outro sobrinho percorrer parte do Pinhal de Leiria que o fogo destruiu no mês passado. Ainda não tinha tido oportunidade de ver in loco os efeitos dessa tragédia que se abateu sobre esta faixa que de Pataias se estendeu até para além da Mata do Urso.

DSC00932.JPG

Fiquei desolado com o que vi. E a pensar na pequenez do ser humano face à  força da natureza. Mas também na incúria que por vezes em nós se revela no cuidar daquilo que podemos fazer e não fazemos para atenuar os efeitos negativos dessas forças poderosas. A protecção a 100% das matas e das pessoas, coisa que não tem constado, nem consta no programa de nenhum governo,  por forma a que jamais dramas como o de Pedrogão Grande e o de Oliveira do Hospital se não voltem a repetir. 

DSC00938.JPG

Mais de uma centena de vidas perdidas nestes dois incêndios é demasiado trágico e vergonhoso para um país que deu novos mundos ao mundo: Portugal. E o Pinhal de Leiria deu madeira para muitas das caravelas dos nossos famosos descobridores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:37


Ano trágico para Portugal.

por aquimetem, em 16.10.17

9LJ3OXKS.jpg

Vieira de Leiria

Mais um mês caminha para seu final, é Outubro. Um Outubro marcado por incêndios devastadores de bens materiais e de vidas humanas também. Só neste domingo mais de quatro dezenas de vidas se foram juntar às que anteriormente tombaram no Pedrogão Grande. E tudo naquele silencio que a lei da  morte ordena. São fogos que surgem fora da época, se é que podemos considerar haver época de incêndios. Se há  não devia haver . O que se está a passar neste país em relação a incêndios florestais é bem o espelho da sociedade de que somos membros e da culpabilidade que todos temos na sua degradação, causa de muitos devaneios... Em política o poder tenta apagar fogos com frases salivares e promessas que granjeiem a caça ao voto. O que forçou o Arcebispo Primaz de Braga a pronunciar-se na pagina do Facebook dizendo "Portugal está a arder! Basta de discursos e boas intenções! É imperioso apurar responsabilidades e agir ". Não devemos pensar mal de ninguém, até porque é prejudicial para a nossa mente que se quer sempre livre de embaraços. Mas o facto dos incêndios florestais envolverem tanta industria e comercio como envolve, por vezes faz-nos pecar ...É demais. Depois sabendo que até os "sucateiros" à  custa de políticos sem vergonha fazem fortuna, imaginar que também se pode enriquecer à custa dos incêndios não é grande admiração. Mas isso é do foro judicial. As desculpas que é das matas por limpar e do calor do sol não pega, já assim era no tempo da "outrora senhora" e os incêndios escasseavam, e só quando mão criminosa os apegava é que lá tinham as brigadas florestais de actuar. Foi o que faltou neste ano trágico para Portugal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:37


Se fosse só um bem nós estávamos

por aquimetem, em 14.10.17

SUOHJ9HE.jpg

A força do acreditar quando apontada a um alvo pré-concebido redonda em vitória mental. Importante se aplicada no sentido positivo que dignifique a espécie humana, mas se pelo contrário tem em vista denegrir o comportamento normal da criatura mais vale não existir. A boa fé é uma virtude que deve ser respeitada e de louvar no ser humano, mas como alguém muito santo ensinou é nosso dever  "ser anjo, mas não anjinho". E no entanto o que mais se vê no dia a dia  são anjinhos... em vez de anjos. Vem a propósito do que a respeito da honestidade do ex-primeiro ministro José Sócrates se tem dito. Para muitos que foram, ou ainda são, seus admiradores, ainda se não convenceram que o homem fosse capaz de cometer os crimes de que é acusado, e de que dizem foi mais que vitima duma injustiça que a própria Justiça cometeu. O homem é sério dizem os seus. Para estes, o desonesto é o Juiz Carlos Alexandre, que meteu na prisão um ex-primeiro-ministro, além de mais alguns dos seus comparsas. Será que agora uma vez acusado formalmente com 31 crimes na Operaço Marquês, a boa fé dos seus simpatizantes ainda persiste ? Não devemos desejar mal a ninguém, mas que merece ser reprovado e condenado quem na política se serve dos cargos para enriquecer à custa dos seus concidadãos é lógico que sim. E o certo é que o MP deu como provada a relação com Carlos Santos Silva e os benefícios ao grupo Lena com os quais Sócrates terá "ganho" 24 milhões de euros. Mas não é só ele, na mesma fornada estão incluídos 28 arguidos, 19 pessoas singulares e 9 colectivas. Se fosse só um.... bem nós estávamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30


É além do mais, 100% ignorante

por aquimetem, em 09.10.17

14092288_1RibO.png 

A Social-democracia surge nos finais do século XIX fruto de uma cisão interna do socialismo. Como as demais ideologias de vertente "socialista", a Social-democracia nasce dentro do movimento operário de carácter marxista e nesse espaço ideológico se desenvolve e ganha autonomia. De realçar que até  "1910 os partidos sociais-democráticos ainda se reconheciam - e eram reconhecidos - como partidos revolucionários. Só a partir do final da II Guerra Mundial, a Social-Democracia começa a ganhar outros sentidos afastando-se  da prespectiva de ruptura com o capitalismo". Mas longe de ser um partido que estagnou na luta pelo desenvolvimento e promoção social do ser humano, a Social-Democracia tornou-se na força política mais conforme e coerente com as circunstancias do momento actual, em que as demais ideologias políticas parecem querer medir forças e conquistar terreno. Países como a Alemanha, Holanda, Grã-Bretanha, Nova Zelândia e Bélgica são exemplo da aceitação e serviço prestado à comunidade mediante acção  governativa da doutrina social-democrática. Embora surgindo de dentro do movimento operário de carácter marxista, desde principio sempre apontou para um socialismo democrático que o comunismo rejeitou e continua a rejeitar. Para os sociais-democratas foi sempre convicção que através da via  partidária era possível promover as reformas necessárias dentro do capitalismo, de modo a conquistar a vitória do socialismo que outros querem através da força. Chegou-se até a considerar que "o comunismo representava uma forma autoritária do socialismo, enquanto a social-democracia seria a sua face democrática".  Isto só para dizer a quem me lê que chamar ao PSD, um partido de direita  é  além do mais, 100% ignorante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:15


São muitos da mesma família

por aquimetem, em 04.10.17

2014-03-15-passos-coelho.jpg

Os últimos resultados nas Autarquias não foram brilhantes para o PSD, mas bem pior foram para o PCP e que saiba ainda ninguém pediu, no seu partido, que Jerónimo de Sousa se demitisse. Verdade que também ninguém exigiu a demissão do Dr. Passos Coelho, ele é que pelos vistos não se quer recandidatar à  liderança do seu partido. Na minha opinião Portugal vê retirar-se do combate político uma figura nobre e honesta que para salvar Portugal da "Banca Rôta " se deixou cair na impopularidade. A história lhe dará razão, se não mais tarde o eleitorado. Desde que tive liberdade de usar do meu direito de voto, depositei-o no partido que Francisco Sá Carneiro fundou, inicialmente com base na defesa que desde o primeiro momento ele tomou à volta do Bispo que Salazar expulsou de Portugal. Depois pela sua ideologia social-democrática que sempre entendi se adaptar melhor ao pensamento da maioria do povo português. Gente laboriosa, ordeira e honrada, como também combativa por causas justas e patrióticas. Nestes 40 anos que já decorreram sobre o que chamam de democracia, quem tem mais de 70 anos e esteve atento aos acontecimentos nacionais, tem muita coisa para contar, sobretudo quem mais de perto presenciou alguns deles. Os mais gritantes são aqueles que nos dão conta de criaturas que não tinham nada de seu, e agora graças à sua profissão política gozam de fortunas que se diz aos milhões. Ladrões eram os Tenreiros, os Melos, os Tomes Feteiras, os Champalimauds, os Condes de Riba Dave, os Cupertinos de Miranda  e outros que nas suas fabricas, na agricultura, na pesca,  nas siderurgias e na economia, davam trabalho à  população. Em vez de andarem atrás de quem se consta ter recebido uma modesta gorjeta de pouca importância, deviam era  fazer leis e pô-las em pratica para saber donde vieram os tais milhões que se diz alguns políticos têm em carteira, obrigandos a repor parte nos cofres do Estado. O mau da fita não deve ser só o Sócrates, são muitos da mesma família.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:15


Até gostava de também fazer

por aquimetem, em 03.10.17

DSC00853.JPG

 Lá se foi mais uma vez o meu "Alvarito", na companhia dos pais para outras paragens e terras onde os avós  maternos e paternos o não podem ver fisicamente. Com os seus quatro anitos esta separação diz pouco para ele,penso eu,  mas o mesmo já não é assim com os "pais duas vezes" pois além de avós vem-lhes à  memoria saudades duma fase da vida que jamais se repete

DSC00899.JPG

De Lisboa partiu pela manhã para Paris, e dali às 15h00 vai de regresso à  América Central, até que nova oportunidade no-lo traga a ver. O certo é que vai de novo conviver com amiguinhos a hablar espanhol, e com os pais o bom português que Camões imortalizou.

DSC00691.JPG

Não me estou a dependurar, mas uma visita à  Ilha dos Castros, como a que fiz recentemente à terras de Ângela Merkel com o Alvarito por companhia, até gostava de também fazer

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:35


Torga visto por Barroso da Fonte

por aquimetem, em 22.09.17

IMG_0060 (2).JPG

Em post divulgado no dia 11/8/17 no blog Portugal, minha terra, Barroso da Fonte faz referenciaria ao seu relacionamento com mais três notáveis transmontanos que em vida honraram a gesta nas letras e na ciência: Miguel Torga, Magalhães Gonçalves e Mário Carneiro. Foi-me dado saber então que à  volta disso já Barroso da Fonte havia escrito um opúsculo onde registou esses contactos que tornou em documento e dele falou por ocasião da data em que se fosse vivo Miguel Torga faria 110 anos, nesse dia, 12 de Agosto. Nasceu em 1907.

barroso_da_fonte.jpg

"Tive a sorte - diz ele - de ser um dos privilegiados em conviver com Miguel Torga.

Quando regressei de Angola, como militar, em Junho de 1967, fixei-me em Chaves, como professor eventual de Liceu e Chefe de Redacção do semanário «Noticias de Chaves». Em fins de 1968 troquei as aulas do liceu pelo Centro de Emprego. Durante cerca de um ano fui o único funcionário. E o estatuto da antiguidade deu-me a possibilidade de ser o responsável, durante vitoriosos anos, tendo contribuído para patrocinar o ingresso de alguns colegas e até para indicar, como médico de higiene e segurança no trabalho, o Dr. Mário Gonçalves Carneiro que retirava algumas horas à   dedicação quase exclusiva às Termas de Chaves ".

IMG_0069 (1).JPG

 Mão amiga - digo eu - ao saber da minha admiração e estima por essas personagens da cultura, e em particular pelo autor do opúsculo, teve a gentileza de trazer ao meu conhecimento retalhos desse trabalho de Barroso da Fonte que li e achei oportuno engendrar um post meu à  volta do tema. Tanto mais que estão em cena figuras que muito enobreceram a minha região transmontana e a cultura nacional.

IMG_0071.JPG

De Torga ressai o que já dum seu colega em medicina, o saudoso Dr. Assis Pacheco, me havia confidenciado e B. da Fonte deixa agora confirmado: "O director das Termas de Chaves que tarda em ser homenageado como o «pai» das renascidas instalações balneares, desde há duas décadas hospedava, na sua Casa da Rua Direita, o Dr. Adolfo Correia da Rocha. Este sempre vivera à « boleia», ora para o estrangeiro, ora no seu próprio reino Maravilho. Fora assim nas termas do Geres, nas Aguas de Carvalhelhos e, naquela altura, nas Aguas de  Chaves. Nada pagava nos tratamentos, tinha comida e dormida, de graça, na casa pessoal do então director Mário Carneiro" . -  Não é defeito é modo de economizar enquanto os amigos assim o entender....

Imagem (14) (2).jpg

 Foi o Dr. Mário Carneiro quem apresentou Torga a Barroso da Fonte e este quem apresentou Torga a Fernão de Magalhães Gonçalves  que tinha ganho o 1º prémio nos Jogos Florais de Chaves. "Por essa altura apresentei-o ao Fernão de Magalhães Gonçalves que tinha ganho o 1º prémio nos  Jogos Florais de Chaves que eu passei a organizar, desde 1978. Foi esse estudo sobre o Telurismo na obra de M. Torga que os tornou amigos para o resto da vida. F.M. Gonçalves foi, segundo Torga, o ensaísta Português que melhor interpretou a obra Torguiana". Um retrato de Torga traçado por Barroso da Fonte

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Vamos a ver dia 1…

por aquimetem, em 18.09.17

34718_45677_79855[1].jpg

 Povo civilizado até na política onde se não vê os adversários acusar uns aos outros do que respeita à  vida privada de cada um. Se algum acto é merecedor de reparo, o povo julga-o nas urnas ou ele tem o bom senso de se demitir antes que seja o eleitor a manda-lo trocar de oficio. Não é por mero acaso que a Alemanha sofrendo duas grandes guerras que a deixaram destruída tenha hoje a economia mais forte da Europa, fruto do trabalho, formação e educação do seu povo. Os alemães também gostam de futebol e da cerveja que produzem, assim como dos produtos cultivados em todo o seu espaço arável e muito bem aproveitado e zelado, diga-se, mas não misturam política com desporto. A política é coisa muito séria, e gente corrupta lá não tem cabidela. Também cá deviam ser saneados de cargos políticos e administrativos todos quantos na política arranjaram emprego. Assim como gente mentirosa. Só desta maneira um país consegue dar emprego, saúde e formação aos seus patrícios, e os progenitores ou seus tutores a educarão aos filhos. Só desta forma Portugal será capaz de dar trabalho aos seus naturais e a outros que nos procurem para trabalhar connosco.Temos as eleições autárquicas que são de 4 em 4 anos. É muito. Deviam ser no máximo de  2 em 2 anos. 

Portugal só vê as obras publicas mexer e os buracos tapados nas vésperas dos actos eleitorais, o tempo que decorre entre um espaço ao outro é para ir deixando cair e depois reconcertar. Mas o curioso é que nós, os portugueses, até gostamos de ser ludibriados, votando na pessoa mais simpática sem reparar na cor do fato que veste. Por um lado até é bom, comemos do que gostamos, mas por vezes sem olharmos à saúdes...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:04


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D